segunda-feira, 27 de março de 2017

Habilidades Matemáticas – Cruz Alta - RS


Em meados de março,  lecionei na cidade de Cruz Alta, a disciplina de Fundamentos e Prática Multiprofissional V- Habilidades Matemáticas. Nesta cidade a gestora é a Cristina Librelotto Rubin, que por falar em habilidades, ela tira de letra.
 Imagem vocês que ela se encontrava fora do país, mas se fazia presente em todo e qualquer momento da aula. É muita dedicação provinda destas gestoras do Censupeg, no caso da Cristina, toda a organização do ambiente se encontrava impecável, tudo pensando com muito carinho para que nossas pós-graduandas pudessem estudar com tranquilidade. E também, volta e meia se ouvia uma das meninas anunciando que ela estava solicitando notícias do dia!!!
A disciplina de Habilidades Matemáticas, como já foi mencionada em outras publicações, estuda alguns pré-requisitos que as crianças precisam ter desenvolvido para que a aprendizagem flua com maior facilidade.
Já nos primeiros anos de vida a criança já vai adquirindo noções de quantidade numérica, por exemplo: quando os cuidadores da mesma pedem para ela mostrar com os dedos quantos anos ela tem ou então contar determinados objetos, estas atividades proporcionam a noção de número, ou seja, consciência numérica.
Outro fator importante é que a criança desenvolva a percepção visuoespacial, e aí os jogos de encaixe podem auxiliar e muito, pois ela precisa ter noção de virar as peças para que as mesmas sejam inseridas no local certo. Do mesmo modo, também é fundamental que já no ambiente familiar se trabalhe noções de perto, longe, por exemplo, quando alguém diz: - vem para perto da mamãe...próximo do papai...ao lado da titia...através de instruções como estas, a criança já vai aumentando a sua percepção visuoespacial.
Outro fator de destaque é a linguagem matemática, que aparece através de símbolos, representação por escrito dos números e interpretação de enunciados. Então, desde placas que aparecem na rua, ou mesmo, teclas de computador, celular, há a possibilidade de despertar o interesse da criança por esta linguagem. Leitura de livros, jornais, revistas, jogos com números e seus respectivos nomes apresentam-se como recursos lúdicos capazes de fazer a interação: criança x linguagem matemática.
O que se destaca em todas as habilidades de aprendizagem é questão da atenção. Se a criança apresenta dificuldade atencional, certamente ela terá muita dificuldade em ter a “concentração” necessária para aprender matemática. E isto também se relaciona com as funções executivas, pois a inibição de comportamento é um tópico importante para a aprendizagem.
Quantas vezes, nos deparamos com indivíduos que começam a atividade e insistem em resolver a questão do mesmo modo, modo este que talvez já tenha se mostrado incorreto. Nesse sentido, o bom funcionamento das funções executivas faz com que os indivíduos tenham um planejamento, uma organização sequencial, consigam fazer autocorreção da atividade que estão desempenhando.

Enfim, estes foram apenas alguns pequenos tópicos da aula, no entanto, há muito mais, por isso que o Censupeg é a referência número um em curso de Pós-Graduação em Neuropsicopedagogia, porque investe na excelência educacional.

Fundamentos e Prática em Equipe Multiprofissional – Igrejinha - RS

     

Me sentindo em débito com as amadas de Igrejinha!!!

     A aula ocorreu no início de março, no entanto o encanto dessas meninas pela neuropsicopedagogia é algo contagiante que perpassa a barreira do tempo/espaço.
    Igrejinha, cidade aqui do Rio Grande do Sul, na qual os cursos de pós-graduação do Censupeg ocorrem sob a responsabilidade da gestora Sigrid Becker. Gente, essa mulher é um show! Está presente em muitos momentos da aula procurando auxiliar em tudo que for necessário tanto para os alunos quanto os professores. Nela também fica evidente o “jeito Censupeg de ser”.
    Antes que me perguntem: - Afinal de conta que jeito é esse? Já esclareço com propriedade que existem muitas definições para o “jeito Censupeg de ser”, sendo que, uma em especial carrego dentro do meu coração, a mesma ecoa através das palavras do diretor presidente Sandro A. Albano, quando ele diz: [...]o que não dá para faltar em educação é AMOR e CARÁTER [...] quando você aprende que fazer o bem é muito gostoso e que ajudar os outros fica perfume nas suas mãos, a gente vai entender que dá para fazer um mundo melhor, como a gente já está fazendo.
    Como professora, amante da profissão, tento dar o meu melhor, contudo jamais posso deixar de perceber que aqueles que estão dentro da sala de aula, também estão dando o melhor deles, buscando melhorar sua qualificação para “perfumar a vida de tantos outros”, e é isso que estas amadas neuropsicopedagogas de Igrejinha me fizeram perceber durante as disciplinas de Fundamentos e Prática em Equipe Multiprofissional IV e V, ou seja Linguagem e Habilidades Matemáticas. Foram dois dias de estudo, prática profissional, exercício de aplicação de testagens e interpretação dos resultados obtidos como forma de sistematizar quais as intervenções a serem propostas.
    A estrutura curricular do curso de Pós-Graduação em Neuropsicopedagogia, proposta pelo Censupeg, apresenta ao todo 5 disciplinas de Fundamentos, todas elas voltadas a áreas que o neuropsicopedagogo deverá avaliar e intervir, fundamentadas desde a base neurobiológica, desenvolvimento típico e atípico, bem como quais instrumentos podem ser utilizados na avaliação e intervenção.  
    Nossos alunos são orientados em conformidade com o Código de Ética Técnico Profissional de Neuropsicopedagogia, a Nota Técnica 01/2016 e o livro Neuropsicopedagoga Clínica da Drª Rita Russo. Nesse sentido, como instituição, temos certeza de que estamos formando profissionais altamente qualificados e que farão a diferença no contexto neuropsicopedagógico, principalmente porque  foram ensinados nos princípios do AMOR e CARÁTER. 

domingo, 26 de março de 2017

Avaliação e Intervenção Neuropsicopedagógica - Clínica

     Santa Cruz do Sul - RS
    Na cidade de Santa Cruz do Sul -RS os cursos de neuropsicopedagogia estão em alta, graças a dedicada gestora Marcia Gewehr (http://cursoposneuro.com.br/ ) que tem um “jeito Censupeg de ser”, ou seja, apresenta um cuidado especial para com todas as turmas que estão sob sua responsabilidade procurando atender as especificidades de cada turma, mas sem esquecer que há todo um conjunto de orientações maiores a serem cumpridas.
     Em especial, esta sala de aula composta de 36 neuropsicopedagogas, há dois anos vem se preparando para desempenhar com maestria esta nova profissão. São horas e horas de aula, estudo, empenho, dedicação, atenção seletiva (foco no que realmente deve ser feito) e eliminação de distratores. Enfim, precisam dizer não, a muitas coisas que também são essenciais, para que se tenha pleno êxito acadêmico.
     E a “bola da vez” foi a disciplina de Avaliação e Intervenção Neuropsicopedagógica, onde o Censupeg, instituição que administra o curso, tem uma preocupação que os alunos realmente saibam quais são os tópicos essenciais para uma boa avaliação e intervenção. A disciplina visa preparar o neuropsicopedagogo para a futura prática clínica, trazendo a contextualização e aprendizagens de todas demais disciplinas da grade curricular do curso.
    Portanto, para que isso aconteça, se faz necessário que os alunos tenham o conhecimento do conteúdo da Nota Técnica 01/2016, que atendendo Resolução 03/2014 (capítulo II)  descreve os princípios fundamentais e diretrizes para a ação do neuropsicopedagogo.
     Do mesmo modo, o Código de Ética Técnico Profissional da Neuropsicopedagogia, em seu artigo 31, que descreve a atuação do Neuropsicopedagogo Clínico, priorizando a:
d) Utilização de protocolos e instrumentos de avaliação e reabilitação devidamente validados, respeitando sua formação de graduação; 
     Nesse sentido, cabe ressaltar que quando temos o entendimento que um dos princípios da avaliação neuropsicopedagógica é a investigação das funções cognitivas, entendemos o porquê do uso de instrumentos padronizados, pois não há como avaliar habilidades de linguagem, raciocínio, atenção, percepção, abstração, memória, aprendizagem, funções motoras e executivas, pautado apenas na subjetividade, se faz necessário ter parâmetros de comparação embasado na cientificidade.
     Um dos elementos primordiais desta disciplina, se dá através da leitura dos capítulos IV  e V, do livro Neuropsicopedagogia Clinica – Introdução, Conceitos, Teoria e Prática, o qual traz detalhadamente o “como, para que e porquê”, fazer a avaliação e intervenção neuropsicopedagógica. Também é importante salientar que na atualidade este livro é o único chancelado pela SBNPp, pois sua escrita está de acordo com o Código de Ética Técnico Profissional da Neuropsicopedagogia.
   Nesse sentido, não há como ser neuropsicopedagogo sem saber o conteúdo descrito nestes materiais. E certamente essa turma de Santa Cruz do Sul, aproveitou cada minuto da aula para aprimorar a sua qualificação.