domingo, 27 de novembro de 2016

Habilidades Matemáticas – Santa Cruz do Sul - RS

Ana Lúcia Hennemann¹
Ontem (26.11.2016), uma das diversas turmas de Neuropsicopedagogia Clínica de Santa Cruz do Sul, teve a disciplina de Habilidades Matemáticas. Para quem não conhece, Santa Cruz do Sul é uma das cidades do estado do Rio Grande do Sul, cuja população em 2010 era de 102.891 habitantes. A cidade é conhecida por ser a sede da maior Oktoberfest do Rio Grande do Sul, receber um dos maiores festivais de arte amadora, o Encontro de Arte e Tradição, e pelo Autódromo Internacional de Santa Cruz do Sul.
E pela quantidade de alunos de Neuropsicopedagogia que por este local estão se formando através do CENSUPEG, certamente em futuro bem próximo, a cidade também será conhecida pela qualidade de profissionais desta área de atuação e por fazer um diferencial na aprendizagem de muitos indivíduos. Pois, conforme o Código de Ética Técnico-Profissional da SBNPp (2016),
A Neuropsicopedagogia é uma ciência transdisciplinar, fundamentada nos conhecimentos da Neurociências aplicada à educação, com interfaces da Pedagogia e Psicologia Cognitiva que tem como objeto formal de estudo a relação entre o funcionamento do sistema nervoso e a aprendizagem humana numa perspectiva de reintegração pessoal, social e educacional.

Diante o entendimento da fundamentação da Neuropsicopedagogia é que nossos alunos têm disciplinas voltadas a toda estas interfaces, e sendo assim precisam de subsídios para compreender como ocorre o processo de avaliação e intervenção dos transtornos específicos de aprendizagem, além de outros. E é neste sentido que ocorreu a disciplina de Habilidades matemáticas, cujos objetivos já foram descritos na publicação “Habilidades Matemáticas – Araranguá SC”.
A turma de Santa Cruz do Sul também recebeu orientações de como fazer testagem em aritmética, através da “Prova de Aritmética” de Seabra, Dias e Capovilla, e teve a oportunidade de manusear um dos mais recentes instrumentos de sondagem das habilidades matemáticas nos anos iniciais do ensino fundamental, o “CORUJA PROMAT”. O mesmo tem por objetivo verificar se as competências numéricas básicas foram adquiridas e, em caso de defasagem indicar a(s) área(s) de concentração das dificuldades. Deste modo é possível identificar com maior exatidão áreas prioritárias para a intervenção especializada.
Também como forma de entendimento de “disfuncionalidades” relacionadas a aritmética, nos utilizamos de KOSC (1974, apud RUSSO 2015) explicando os seis tipos de discalculia: verbal, practognóstica, léxica, gráfica, ideognóstica e operacional.

E como não poderia faltar nas atividades finais da disciplina: utilizamos alguns jogos e atividades de intervenção voltados a aritmética, enriquecidos através de relatos e amostras de práticas já utilizadas por nossas aulas dentro do seu contexto do trabalho.

Referências:

RUSSO, Rita. Neuropsicopedagogia Clínica: Introdução, Conceitos, Teoria e Prática. Curitiba: Juruá, 2015.

SEABRA, DIAS e CAPOVILLA. Avaliação Neuropsicológica Cognitiva: Leitura, Escrita e Aritmética. Vol. 3. São Paulo: Memnom, 2013.

SBNPp. NOTA TÉCNICA Nº 01/2016. Joinville, SBNPp, 2016.  Disponível online em: http://www.sbnpp.com.br/wp-content/uploads/2016/11/Nota-T%C3%A9cnica-01-2016-agosto.pdf

WEINSTEIN, Monica. Coruja PROMAT: roteiro para sondagem em habilidades matemáticas ensino fundamental I. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2016.


NotaSe você tem dúvidas relativas a Neuropsicopedagogia, consulte o site da Sociedade Brasileira de Neuropsicopedagogia: www.sbnpp.com.br
-------------------------------------------------------------------------------------------------------
[1]Especialista em Alfabetização, Neuropsicopedagogia e Educação Inclusiva, Neuropsicopedagogia Clínica e Neuroaprendizagem. - whatsApp - 51 99248-4325


domingo, 20 de novembro de 2016

Habilidades Matemáticas – Araranguá SC

 
                                                                                      Ana Lúcia Hennemann¹

          Araranguá, cidade de Santa Catarina, em 2010 era constituída por 66.442 habitantes. Consta no site do município que a mesma foi fundada em 1880, entretanto há vestígios de ocupação histórica desde 6.000 a.C. feitas por índios sambaquieiros, caçadores-coletores, Xoklengs e Guaranis.

E foi nesta linda e mega cidade histórica que lecionei neste sábado no curso de Pós-Graduação em Neuropsicopedagogia Clínica, pelo grupo CENSUPEG.
Este curso tem como objetivo qualificar profissionais das mais diversas áreas (Pedagogia, Psicologia, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional e áreas afins) no sentido de instrumentalizá-los a partir de uma fundamentação teórica/técnica conforme o perfil profissiográfico do neuropsicopedagogo.
Neste último sábado (20/11/2016) as pós-graduandas tiveram uma das disciplinas que caracteriza os fundamentos e prática em equipe multiprofissional, as Habilidades Matemáticas. Através da mesma estudamos a aprendizagem dos processos neurobiológicos relacionados a esta área do conhecimento e conhecemos alguns instrumentos de avaliação voltados a Aritmética. Como forma de entender o modo de aplicação, como se faz a contagem da pontuação e verificação dos resultados obtidos pelo indivíduo, simulamos a aplicação de um destes instrumentos de avaliação.
A testagem estudada com maior profundidade neste dia foi a “Prova de Aritmética” de Seabra, Dias e Capovilla, que tem como finalidade avaliar a competência aritmética em crianças e adolescentes.

A importância desta avaliação se dá justamente por ser um instrumento que permite verificar no que exatamente a criança pode ter maior dificuldade, pois segundo os autores a Prova de Aritmética:
[...] pode ter grande utilidade, na medida em que permitirá ao profissional identificar áreas de maior ou menor comprometimento, assim como compreender as dificuldades apresentadas por uma criança face aos modelos cognitivos da competência aritmética. (SEABRA, DIAS E CAPOVILLA, 2013, p. 145)

Como atividades finais da disciplina, utilizamos alguns jogos e atividades de intervenção voltados a aritmética. Sendo assim, ressalto novamente que o grupo CENSUPEG prima pela qualificação do neuropsicopedagogo procurando alinhar o conteúdo de seus cursos em conformidade com o que prevê a SBNPp (Sociedade Brasileira de Neuropsicopedagogia)

Referências:


SEABRA, DIAS e CAPOVILLA. Avaliação Neuropsicológica Cognitiva: Leitura, Escrita e Aritmética. Vol. 3. São Paulo: Memnom, 2013.

SBNPp. NOTA TÉCNICA Nº 01/2016. Joinville, SBNPp, 2016.  Disponível online em: http://www.sbnpp.com.br/wp-content/uploads/2016/11/Nota-T%C3%A9cnica-01-2016-agosto.pdf


NotaSe você tem dúvidas relativas a Neuropsicopedagogia, consulte o site da Sociedade Brasileira de Neuropsicopedagogia: www.sbnpp.com.br
-------------------------------------------------------------------------------------------------------
[1]Especialista em Alfabetização, Neuropsicopedagogia e Educação Inclusiva, Neuropsicopedagogia Clínica e Neuroaprendizagem. - whatsApp - 51 99248-4325

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Avaliação e Intervenção Neuropsicopedagógica – Orleans SC





Ana Lúcia Hennemann¹

Orleans é um município do estado de Santa Catarina, cuja população em 2014 era de 22.311 habitantes. A mesma traz marcos relevantes na sua história envolvendo o casamento de Conde d’Eu e a princesa Isabel Cristina L. A. M. G. R. Gonzaga de Bragança, no século XIX. No entanto, somente em 1913 que obteve sua emancipação política.  

No ano de comemoração de 103 anos, a cidade também terá como novidade: 19 profissionais de neuropsicopedagogia que estão concluindo o curso de Pós-Graduação em Neuropsicopedagogia e Educação Especial Inclusiva, pelo grupo CENSUPEG.
A importância de ter um profissional de neuropsicopedagogia no contexto educacional oportuniza avaliação e intervenção precoce relacionados aos transtornos de aprendizagem. O neuropsicopedagogo recebe na sua formação toda orientação do funcionamento do sistema nervoso e quais as implicações que comprometem a aprendizagem quando o mesmo apresenta prejuízo no seu funcionamento.
Neste último sábado (14/11/2016) as alunas tiveram a penúltima disciplina: Avaliação e Intervenção Neuropsicopedagógica, a qual tive a honra de lecionar. Foram 30 horas de estudos voltados a: - qual o papel do neuropsicopedagogo no contexto institucional, - quais as áreas a serem avaliadas, - quais os instrumentos de avaliação que o neuropsicopedagogo dispõe e - de que forma intervir mediante as situações encontradas.
As primeiras 15 horas da aula, enfocaram todo o entendimento do conteúdo elencado pela Nota Técnica nº 1 – 2016, disponibilizado pela SBNPp (Sociedade Brasileira de Neuropsicopedagogia). Num momento posterior, as alunas receberam estudos de casos já realizados, contendo elementos de avaliação e intervenção, os quais deveriam identificar e se apropriar deste conhecimento para apresentar às colegas.
Nas últimas 15 horas, aprendemos a usar na prática a “Escala de avaliação das estratégias de aprendizagem para o ensino fundamental: EAVAP-EF” que é um instrumento que possibilitará as neuropsicopedagogas a auxiliar os alunos a melhorarem suas estratégias de estudo, intervindo de modo precoce, objetivando dessa forma, melhor desempenho acadêmico dos estudantes. Trata-se de um instrumento que identifica as estratégias cognitivas e metacognitivas que o aluno usa durante o estudo, bem como a ausência das mesmas.  Nesse sentido, Boruchovitch (2006 apud Silva e de Sá 1997) esclarece que:
[...]a instrução em estratégias de aprendizagem possibilita aos estudantes ultrapassar dificuldades pessoais e ambientais de forma a obter um maior sucesso escolar. Estratégias de aprendizagem podem ser ensinadas para alunos de baixo rendimento escolar. É possível ensinar a todos os alunos a expandir notas de aulas, a sublinhar pontos importantes de um texto, a monitorar a compreensão da leitura, usar estratégias de memorização, fazer resumos, entre outras.

E como atividade final e de contextualização de toda disciplina, foram ofertados novos estudos de caso, para os quais deveriam pensar na proposta da Neuropsicopedagogia no contexto institucional, ou seja: atendimento coletivo, e montar uma Oficina Temática Neuropsicopedagógica voltada a áreas específicas de construção de habilidades para indivíduos que apresentam dificuldades semelhantes.
E desta forma, não somente por causa desta disciplina, mas por toda a grade curricular organizada no Código de Ética Técnico- Profissional da Neuropsicopedagogia, o grupo CENSUPEG mostra-se como a instituição que prima pela qualificação dos novos profissionais no mercado de trabalho, e estes, certamente farão toda diferença, pois têm a teoria aliada a prática.

Referências:

BORUCHOVITCH, Evely et al. A construção de uma escala de estratégias de aprendizagem para alunos do ensino fundamental. Brasília, Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2016.

OLIVEIRA, Katya. BORUCHOVITCH, Evely. SANTOS, Acácia. Escala de estratégias de aprendizagem para alunos do ensino fundamental: EAVAP-EF. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.


SBNPp. NOTA TÉCNICA Nº 01/2016. Joinville, SBNPp, 2016.  Disponível online em: http://www.sbnpp.com.br/wp-content/uploads/2016/11/Nota-T%C3%A9cnica-01-2016-agosto.pdf


NotaSe você tem dúvidas relativas a Neuropsicopedagogia, consulte o site da Sociedade Brasileira de Neuropsicopedagogia: www.sbnpp.com.br
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------
[1]Especialista em Alfabetização, Neuropsicopedagogia e Educação Inclusiva, Neuropsicopedagogia Clínica e Neuroaprendizagem. - whatsApp - 51 99248-4325