terça-feira, 14 de maio de 2013

Sistema Nervoso Autônomo e Aprendizagem




   Ao falar sobre SNAs (Sistema Nervoso Autônomo simpático) e SNAp (Sistema Nervoso Autônomo parassimpático)  muito longe de serem somente funções vitais presentes no corpo humano eles são sistemas que são indicadores de uma boa aprendizagem. Numa abordagem neuropsicológica, Metring (2011) aponta que esses conhecimentos são necessários para o planejamento de ensino. Segundo o autor muitas crianças tem problemas de aprendizagem devido à falta de conhecimentos desses fatos por parte dos profissionais do ensino.
   O SN (Sistema Nervoso) conforme demostrado no esquema abaixo, apresenta suas subdivisões as quais aqui se dará ênfase ao Sistema Nervoso Autônomo, que são as partes do corpo que agem involuntariamente, sem a nossa consciência, por exemplo a respiração, digestão, controle da pressão arterial, da temperatura, etc... Ele também faz a regulação do organismo em relação ao ambiente, por exemplo, se entramos estamos num local bem iluminado e entramos em outro com pouca iluminação, há a necessidade de uma dilatação de nossas pupilas para dar conta da pouca luminosidade.
adaptação do livro: Psico A - Editora Artmed

O sistema Nervoso Autônomo pode apresentar as seguintes subdivisões: Sistema Nervoso Autônomo Parassimpático (SNAp), Simpático (SNAs) e Entérico ou Visceral.

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Sistema Nervoso Autônomo Parassimpático (SNAp)
Sistema Nervoso Autônomo Simpático (SNAs)
Entérico ou Visceral
- responsável pela estimulação de ações orgânicas que coloquem esse organismo em situação de repouso e calma, como por exemplo, a desaceleração dos batimentos cardíacos e a contração pupilar.
- responsável pela estimulação de ações orgânicas que permitam a esse organismo responder adequadamente às situações de estresse, ou seja, coloca o organismo em situação de alerta, ora excitando determinados órgãos e vísceras, ora relaxando, conforme o caso. Por exemplo, a aceleração dos batimentos cardíacos e a dilatação pupilar.

- é constituído de uma rede de neurônios que integram o sistema digestivo como um todo – trato gastrointestinal, pâncreas e vesícula biliar. Pode funcionar de forma independente, porém o SNAs e o SNAp podem afetá-lo mutuamente.

GRIGGS, Richard - Editora Artmed

Qual a relação desses sistemas em relação à aprendizagem?

       Metring (2011) enfatiza que o SNAs quando nascemos já começa a atuar e vai continuar atuando até o final de nossas vidas, mas o SNAp precisa ser treinado, e isso quer dizer que estamos organicamente prontos para manter estado de vigília, alerta, mas não para relaxarmos.
      Segundo o autor estamos  sempre em estado de alerta, sendo que as funções viscerais estão preocupadas somente com a manutenção da vida, agimos instintivamente sem muitas vezes recorrer ao uso das funções mentais superiores. E eis aí onde a escola pode colaborar: - treinar o SNAp, instruindo os alunos de como manter o organismo em situação de equilíbrio, repouso relativo, para que assim as funções mentais superiores, tão necessárias à aprendizagem, possam ser melhor utilizadas.
Psico A- Artmed

       Ambientes que coloquem o aprendiz em situação de estresse ativarão as atividades do SNAs, fazendo com que a adrenalina seja despejada na corrente sanguínea que fará com que haja alterações em todo sistema cardiorrespiratório, alterações nos sistemas de apoio (digestão, produção de hormônios, etc). Ao cérebro apenas restará uma parcela de sangue suficiente para manter a musculatura irrigada e alimentada para a situação de luta ou fuga.
Entretanto, Metring (2011) alerta que o cérebro é um grande consumidor de energia, que por sua vez é alimentada pelo sangue, sendo assim: menos sangue = menos energia, menos energia = menos capacidade cognitiva, então a aprendizagem é dificultada e em casos mais graves impossibilitada.
     O SNAp estimula principalmente atividades relaxantes, como as reduções do ritmo cardíaco e da pressão arterial, entre outras do Parassimpático que tem ação vasodilatadora mediante a libertação de acetilcolina.
      Diante ao que foi relatado o autor propõe que as escolas deveriam preparar o ambiente de tal forma que se obtivesse o melhor aproveitamento do cérebro na aprendizagem, proporcionando assim atividades relaxantes, exercícios respiratórios a fim de evitar situações estressantes.

Fonte:
GRIGGS, Richard. Psicologia uma abordagem concisa. POA: Artmed, 2009
METRING, Roberte. Neuropsicologia e aprendizagem: fundamentos necessários para planejamento do ensino. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011.
RENNER,Tanya.  Psico A. Porto Alegre, McGrawHill, 2012


2 comentários:

  1. Muito interessante o post.
    Sou pesquisador pela Universidade de Brasília e gosto de pesquisar sobre o SNA.
    um grande abraço

    ResponderExcluir
  2. E MUITO BOM ISSO POIS FICAMOS ATUALIZADOS

    ResponderExcluir