quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Seu cérebro pode fabricar felicidade...


Estudos realizados demonstram que as pessoas mais felizes apresentam uma maior atividade em um determinado centro do hemisfério esquerdo do cérebro: o córtex pré-frontal esquerdo. Essa região do Cérebro está claramente ligada a emoções e sentimentos positivos. O córtex pré-frontal direito, ao contrário, está relacionado a situações desagradáveis e sensações sofrimento emocional. As pessoas que sofrem de depressão possuem uma maior atividade neuronal nessa área do cérebro. Situações, pensamentos, atitudes e atividades capazes de produzir sentimentos de felicidade têm a propriedade de ativar o córtex pré-frontal esquerdo. Quando mais intensa e longamente essa região é estimulada, maior se torna o seu nível de atividade e, consequentemente, maior se torna a capacidade da pessoa em sentir e usufruir felicidade. Em outras palavras, a estimulação torna os neurônios treinados em produzir estados de felicidade.

    As pessoas têm a capacidade de fabricar felicidade diante de situações indesejáveis. A pesquisa em Harvard, desenvolvida pelo investigador e psicólogo Dan Gilbert (em 2004), mostra que esta felicidade que se fabrica é tão boa e tão duradoura quanto a felicidade que se sente quando alguma coisa boa de fato acontece. Segue a transcrição de um trecho de sua palestra...
   Segundo Gilbert, dois milhões de anos parece muito tempo. Mas na evolução, 2 milhões de anos é nada. Mesmo assim em 2 milhões de anos o cérebro humano quase triplicou sua massa, dos 650g do nosso ancestral Homo Habilis, para os quase 1,5 Kg que todos temos entre as orelhas. Por que a natureza teve tanta vontade de nos dar um cérebro tão grande?
    Acontece que quando cérebros triplicam em tamanho, não ficam só 3 vezes maiores, ganham novas estruturas. Uma das maiores razões para ficar tão grande, é ter uma nova parte, chamada lobo frontal. E particularmente uma parte chamada córtex pré-frontal. O que o córtex pré-frontal faz por você para justificar toda a remodelagem do crânio humano em um breve momento evolucionário?

   O córtex pré-frontal faz muitas coisas, uma das mais importantes é ser um simulador de experiências. Pilotos praticam em simuladores de voo para que não cometam erros em aviões reais. Seres humanos têm uma adaptação maravilhosa para simular experiências em suas cabeças antes de tentar na vida real. É um truque que nenhum de nossos ancestrais podia fazer, que nenhum outro animal pode fazer como nós. É uma adaptação sensacional. É como polegares opositores, ficar de pé e ter uma linguagem é uma das coisas que fizeram nossos ancestrais descer das árvores e ir aos shoppings.
   Todos já passaram por isto. Por exemplo, Não existe um sabor fígado-e-cebola de sorvete. E não é porque eles provaram um pouco e disseram "ugh". É porque, sem sair da sua poltrona, você pode simular o sabor e dizer "ugh" antes de fazer este sabor.
Sir Thomas Brown
   A  felicidade pode ser sintetizada. Sir Thomas Brown escreveu em 1642, "Eu sou o homem vivo mais feliz. Eu tenho algo em mim que pode converter pobreza em riqueza, adversidade em prosperidade. Eu sou mais invulnerável que Aquiles. O azar não tem como me atingir"
 - Que máquina notável esse homem tinha na sua cabeça?
Acontece que é precisamente a mesma máquina notável que todos nós temos. Seres humanos têm algo que podemos considerar um sistema imunológico psicológico. Um sistema que conduz seus processos, principalmente inconscientes, que os ajudam a mudar suas visões de mundo, para que possam se sentir melhor sobre o mundo em que estão. Como sir Thomas você tem esta máquina. Ao contrário dele, você parece não saber.
Nós sintetizamos felicidade, mas pensamos que ela precisa ser encontrada. Vocês não precisam que eu lhes dê que muitos exemplos notórios de pessoas sintetizando felicidade, eu suspeito. Eu vou lhes mostrar algumas provas experimentais, Você não precisa procurar muito longe por provas.
As experiências humanas, felizes ou não, tem muito menos impacto, menos intensidade e muito menos duração que as pessoas esperam que tenham. Na verdade um estudo recente mostrando quanto grandes traumas da vida afeta as pessoas, sugere que se aconteceu há mais de três meses, com poucas exceções, não tem nenhum impacto na sua felicidade, pois a felicidade pode ser sintetizada.
Acreditamos que felicidade sintética não é da mesma qualidade da que chamaríamos felicidade natural. Que significam esses nomes? Felicidade natural é o que obtemos quando temos o que queríamos, felicidade sintética é o que criamos quando não temos o que queríamos. E nossa sociedade acredita fortemente que felicidade sintética é de qualidade inferior. Por que temos essa crença? Bem, é simples. Que tipo de máquina econômica continuaria trabalhando se acreditássemos que não ter o que queremos poderia nos fazer tão felizes quanto ter?
Quero sugerir a você que felicidade sintética é, em todos os aspectos, tão real e durável quanto a felicidade que você obtém quando conquista exatamente o que queria. Eu sou um cientista, então vou fazer isto não com retórica, mas mergulhando você em informação.

    Nós devemos ter preferências que nos levem para um futuro em lugar de outro. Mas quando essas preferências nos dominam com muita rapidez e rigidez porque estamos superestimando a diferença entre esses futuros, estamos em risco. Quando nossa ambição é contida, ela nos leva a trabalhar com prazer. Quando nossa ambição é ilimitada, nos leva a mentir, enganar, roubar, ferir os outros, sacrificar coisas realmente valiosas. Quando nossos medos são contidos, nós somos prudentes, cautelosos, ponderados. Quando nossos medos são ilimitados e reforçados, somos irresponsáveis, e somos covardes.
    A última coisa que eu quero deixar com vocês, destes dados é que nossos bens e preocupações são ambos em algum grau superestimados, porque nós temos dentro de nós a capacidade de fabricar o principal produto que estamos sempre caçando quando escolhemos experiências.

Segue o vídeo com a palestra de Dan Gilbert  e a demonstração dos estudos realizados...

Nenhum comentário:

Postar um comentário