sábado, 15 de setembro de 2012

A Linguagem


Imagem: http://www.psiquiatriageral.com.br/cerebro/cerebro_e_a_linguagem.htm  
     A American Speech and Hearing Association define linguagem como um complexo e dinâmico sistema de símbolos convencionais utilizado de vários modos para o pensamento e comunicação. É descrita nos parâmetros fonológico, morfológico, sintático, semântico e pragmático e os fatores biológicos, cognitivos, psicossociais e ambientais determinam seu aprendizado e uso.
    A linguagem constitui um claro exemplo de função cerebral superior e seu desenvolvimento sustenta-se em uma estrutura anatomofuncional já determinada geneticamente e no estímulo verbal que o meio oferece. Dentro da estrutura anatomofuncional, participam diversos sistemas e subsistemas que atuam em série e paralelo.
  Damasio (1992) considera três sistemas funcionais de linguagem: o operativo ou instrumental, que corresponde à região perissilviana do hemisfério dominante e onde tem lugar o processamento fonológico; o semântico, que inclui extensas áreas corticais de ambos os hemisférios e governa o significado das palavras, e o de mediação, que engloba áreas frontais, temporais e parietais que rodeiam o sistema operativo e no qual o léxico se organiza de forma modular.
   Com os avanços recentes dos estudos em neuroimagem, puderam criar modelos anatomopatológicos da ativação cerebral durante a função linguística e constatou-se que a localização cerebral das áreas ativadas durante o processo de linguagem, com exceção da prosódia afetiva, está lateralizada preferencialmente para o hemisfério esquerdo, envolvendo áreas corticossubcorticais.
   Em estudos realizados com indivíduos sadios, observou-se que durante a leitura silenciosa de palavras, entram em ativação os hemisférios occipitais direito/esquerdo e o córtex temporal direito. Diferentes áreas temporais esquerdas e a região frontal inferior esquerda são responsáveis pela integração dos processos semântico e fonológico.
   Em áreas como o córtex temporal medial esquerdo ocorre o processamento da compreensão linguística e o giro supratemporal esquerdo, córtex motor e pré-motor ipsilaterais, putâmen esquerdo e parte de ambos os hemisférios cerebelares são responsáveis pela realização dos movimentos articulatórios durante a tarefa de repetição de sílabas.
   A ativação cerebral relacionada à prosódia emocional ou afetiva (variações na modulação da voz durante o discurso) encontra-se dividida em três etapas:
1.     Lobo temporal direito na obtenção da informação acústica;
2. Sulco temporal posterossuperior direito na representação das sequências acústicas;
3. Córtex frontal inferior bilateral e gânglios da base, que representam ordenadamente a avaliação e expressão da prosódia afetiva.
   Para concluir, a linguagem na forma expressiva, representada por meio do ato motor de fala, é o resultado de um conjunto de atividades cerebrais responsáveis pela recepção, integração e elaboração das mensagens linguísticas, e o déficit gerado nesta função em decorrência de lesão cerebral determinará um novo nível de funcionamento linguístico, caracterizando o quadro afásico.

Imagem: http://www.psiquiatriageral.com.br/cerebro/cerebro_e_a_linguagem.htm  

Fonte: Fernando Campos e Gomes Pinto, em “Manual de Iniciação em Neurocirurgia”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário