quarta-feira, 16 de maio de 2012

Pesquisando sobre o cérebro - 4

Ana Lúcia Hennemann - Maio/2012
Parte 3- Lobos Cerebrais

2.Lobo Parietal

Lobo Parietal:  Segundo SILVA (2012), o lobo parietal situa-se acima do sulco lateral e posteriormente ao sulco central.  Seu limite posterior vai até uma linha imaginária que passa do sulco parieto-occipital à incisura pré-occipital. O limite inferior corresponde a uma linha imaginária que vai do sulco lateral à intersecção da linha imaginária que liga o sulco parieto-occipital à incisura pré-occipital. O lobo parietal se relaciona com as sensibilidades em geral, ou seja, sensibilidade térmica, algésica e táctil, também conhecidas como sensibilidades superficiais, além das sensibilidades profundas: vibratória, cinético postural (posições das partes do corpo), a capacidade de sensação de pressão e a dor profunda, que é captada pelos tendões, músculos e articulações. O lobo parietal também se relaciona com gustação e motricidade voluntária.
O lobo parietal relaciona-se com a sensibilidade geral, ou seja, com a sensibilidade exteroceptiva e a proprioceptiva. 
Exteroceptiva também é conhecida como sensibilidade superficial e é constituída pela: - a algésica (dor), - a táctil e - a térmica. 
Proprioceptiva também chamada de sensibilidade profunda é constituída pela vibratórica ou palestésica (capta vibrações), a cinético-postural (capta a posição das partes de nosso corpo), a barestésica (capta a sensação de pressão) e a dolorosa profunda (capta sensação de dor nos tendões, articulações e músculos).O lobo parietal também se relaciona com a motricidade voluntária e a gustação. 
O lobo parietal sente qualquer toque que temos em nosso corpo. Na gravura do homúnculo há uma representação de áreas em que a sensibilidade se mostra mais ativa.
No homúnculo sensorial, os lábios e as bochechas e as pontas dos dedos eram as que apareciam com maiores áreas, uma vez que são as mais sensíveis do nosso corpo, por terem mais sensores por centímetro quadrado que qualquer outra área do corpo, e ocupando, portanto, uma área desproporcionalmente maior do córtex.(SABATTINI,1998)
Numa lesão do lobo parietal a pessoa pode ter alteração da sensibilidade (por exemplo, não sentir o braço e/ou a perna de um lado do corpo). Também pode ter agnosia, ou seja, incapacidade de reconhecer as sensações de sensibilidade relativas às sensibilidades exteroceptivas e/ou proprioceptivas. 

Kapczinski (2011,p.26) nos diz lobos parietais:
...estão envolvidos na percepção e na integração da informação somatossensorial (tato, pressão, temperatura e dor), no processamento visuoespacial, na atenção, na orientação espacial e na representação numérica. Apresentam como subestruturas o córtex somestésico, os lobos parietais superior e inferior e o précúneo.
A lesão dos lobos parietais pode levar a perda da habilidade em localizar e reconhecer objetos e partes do corpo (heminegligência), dificuldade em discriminar a informação sensorial, desorientação e falta de coordenação.

Fonte:
SILVA, Cléber R. A. Aspectos Funcionais do Sistema Nervoso. Novo Hamburgo, Feevale, 2012

KAPCZINSKI, QUEVEDO, IZQUIERDO & COLLS. Bases Biológicas dos Transtornos Psiquiátricos. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.


Nenhum comentário:

Postar um comentário