segunda-feira, 21 de maio de 2012

A doçura do afeto


Por UOL
Pesquisa sugere que o uso de glicose e o contato pele a pele com a mãe podem atenuar sintomas de dor em recém-nascidos prematuros e bebês doentes.
Quem nunca ouviu dizer que água com açúcar e colo de mãe acalmam os nervos? Praticadas de forma intuitiva, as dicas da vovó agora recebem comprovação científica. Para chegar a essa conclusão, a pediatra Aurimery Gomes Chermont submeteu 640 bebês recém nascidos a uma solução glicosada (água com açúcar) e colocou as crianças em contato direto com a pele da mãe por dois minutos, antes e durante um evento doloroso. A estratégia não só reduziu os indicadores de dor – mímica facial, frequência cardíaca e saturação de oxigenação – como também diminuiu o tempo de duração desses sintomas. Os resultados fazem parte da tese de doutorado da pediatra e foram publicados pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Os bebês foram divididos em quatro grupos: o primeiro recebeu glicose, o segundo foi colocado em contato direto com a pele da mãe e o terceiro recebeu as duas abordagens. Havia também um grupo controle.  A pesquisadora constatou que que a solução glicosada foi eficiente para a estabilização de parâmetros fisiológicos de dor e argumenta que o fenômeno ocorreu devido à liberação de opioides endógenos (substâncias “calmantes”, produzidas pelo próprio organismo), pela estimulação de receptores gustativos na cavidade oral.

O contato pele a pele também conseguiu diminuir a duração da resposta à dor e atenuar a experiência dolorosa. Ainda não há consenso sobre a origem desse efeito analgésico, mas acredita-se que derive de uma estimulação sensorial múltipla, na qual o toque, o cheiro da mãe e o fato de o bebê escutar os batimentos cardíacos maternos talvez bloqueiem a chegada do estímulo ao sistema nervoso central, por ativação de vias inibitórias descendentes do córtex cerebral, por meio de interconexões sinápticas na própria medula espinal. A associação da glicose com o contato pele a pele foi mais eficaz na redução da dor do que cada uma das medidas analgésicas isoladas, de acordo com três escalas validadas de dor, demonstrando a presença de um efeito aditivo das duas abordagens não-farmacológicas para o alívio da dor aguda no período neonatal.

Segundo a pesquisadora, os próximos passos de seu estudo devem avaliar a eficácia de soluções mais concentradas da glicose na redução da dor durante procedimentos dolorosos agudos rotineiros no atendimento neonatal. Outra linha de pesquisa deverá aprofundar a análise da associação da glicose com o contato pele a pele, a fim de formular diretrizes e indicações mais precisas para seu uso no atendimento dos recém-nascidos prematuros e criticamente doentes.

Fonte: Revista Mente e Cérebro

Nenhum comentário:

Postar um comentário